Resenha: Brilhantes

Resenha por Brunna Carolinne

Autor: Marcus Sakey
Editora: Galera Record
Número de páginas: 476

Uma criança em cada cem, a partir de 1980, começou a apresentar sinais de inteligência avançada. Chamadas de "brilhantes", essas pessoas passaram a ser vistas com desconfiança e medo pelo restante da população, uma vez que os não brilhantes não sabem exatamente como esse dom pode ser utilizado. Então, para que a situação não saísse do controle, foi criado o Departamento de Análise e Reação.
Nick Cooper é o melhor agente do DAR. É bem treinado, tem foco e, sempre querendo evitar o pior, captura os terroristas superdotados. Aliás, Nick é um traíra - um brilhante que caça e prende outros brilhantes.
O atual alvo de Cooper é um dos mais perigosos que já enfrentou: John Smith, responsável pelo maior ataque terrorista dos últimos tempos e ainda ameaça uma guerra civil. Quando assuntos envolvendo a vida pessoal de Nick e o trabalho dele se chocam, o brilhante precisará se infiltrar no mundo de John Smith, mas não será nada fácil, ainda mais quando precisará ir contra tudo em que pensava conhecer.
Eu só quero entender o quê você está fazendo aqui enquanto deveria estar lendo esse livro. Vá ler Brilhantes. Agora! Está esperando o quê? Mais argumentos? Okay, vou (tentar) dar alguns. Mas fique logo sabendo que está perdendo um tempo precioso. Depois não diga que não avisei!
Quem, assim como eu, imaginou que Brilhantes é distopia, se enganou. É um thriller misturado com sci-fi digno de ser aplaudido de pé. A história é repleta de tecnologia avançada e investigações que deixam qualquer leitor enlouquecido só de tanto tentar encaixar as mil e uma teorias que surgem. E aí, no final, não sabe se chora ou se fica radiante por não ter acertado nenhuma.
Demorei um pouco para me acostumar com a ambientação da trama. O autor vai explicando os detalhes em seu próprio ritmo e de uma maneira que me deixou presa à narrativa, uma vez que fiquei extremamente curiosa para entender tudo que estava acontecendo. E aí, depois que a adaptação aconteceu, não consegui largar Brilhantes. Duvido que haja alguém capaz. É apenas impossível. Eu, por exemplo, esqueci até que whats existe. Sério.
É incrível como Marcus Sakey conseguiu elaborar uma narrativa que imergiu minha mente. Eu via tudo claramente, parecia até que os acontecimentos estavam se passando bem ao meu lado. Fiquei tensa e com o sentimento de que algo estava para acontecer o livro inteiro! E é ação do início ao fim, nem dá para respirar! Quando parecia que a história ia ficar morna, lá vinha mais um caso para abalar completamente as estruturas. Tantas cenas inesperadas aconteceram que meu queixo ficou no chão. Várias vezes. Uma reviravolta em especial me deixou super-hiper-mega-ultra-power-impressionada. Socorro!
Mas o que seria de uma trama sensacional sem um protagonista à altura? Brilhantes não fornece nem um pouquinho dessa resposta. Nick Cooper é claramente digno de ser o herói desde livro. Ele não mede palavras, nem esforços; luta pelo que acredita ser o correto e melhor para o mundo. E comete muitas falhas. Sem dúvidas poderia ser uma pessoa real. Torci tanto por ele.  Queria que vencesse todas as batalhas, e sem perdas, pois merecia demais. [Off - Tem uma personagem que rouba a cena aqui; não quero falar muito sobre ela, pois tenho medo de dar spoiler, só preciso dizer: Shannon é fantástica!]
Brilhantes oferece tudo na medida certa: ação, suspense, conspiração, poder "sobrenatural" (esqueça X-men!), investigação e até romance. Apesar de fazer parte de uma duologia, o livro tem um desfecho bem amarradinho, com apenas um detalhe que possibilita uma continuação. E eu mal posso esperar para tê-la em minhas mãos.
Eu poderia dizer que essa obra é brilhante, sem dúvidas eu não estaria mentindo, mas seria tão clichê, que eu vou apenas comunicar que JARED LETO pode ser o PROTAGONISTA da ADAPTAÇÃO.
Sem mais.
Agora, vá ler!
Obrigada. De nada.

0 comentários:

Postar um comentário

« »
 
Layout por Adália Sá e modificações por Brunna Carolinne. © Proibido cópia total ou parcial. Plágio é crime!