Resenha: Graffiti Moon

Resenha por Brunna Carolinne

Autora: Cath Crowley
Editora: Valentina
Número de páginas: 240

Dois artistas fazem os muros da cidade onde Lucy mora ficarem mais bonitos, cheios de grafites e poemas. Sombra faz os incríveis desenhos e Poeta os completa com seus lindos poemas. Lucy é apaixonada pela arte dos dois. Na verdade, ela é completamente fissurada pelo misterioso Sombra, e há bastante tempo está querendo saber a identidade do responsável pelas belíssimas imagens. Lucy sonha com o dia em que ela encontrará Sombra: os dois conversarão sobre arte e então ela poderá comprovar que sempre esteve certa a respeito da personalidade do artista - ele é um rapaz inteligente e sensível.
Para encerrar oficialmente o ensino médio e compensar um ano de estudo pesado, Lucy encontrará suas amigas, Jazz e Daisy, para poderem virar a noite e se jogarem em uma aventura. Bom, essa é a intenção de Jazz, Lucy apenas a acompanhará. Quão grande é a surpresa de Lucy quando a noite dela realmente se torna uma aventura, e melhor: uma aventura a procura de Sombra! A única coisa que a garota não esperava é que essa busca pelo genial grafiteiro aconteceria ao lado de Ed, o cara com quem Lucy teve o encontro mais estranho da sua vida, que, aliás, terminou com um nariz quebrado e muito vômito. A adolescente não consegue ver o que está bem ao seu lado e terá outra grande surpresa.
Lucy é admiradora de boas artes, sabe o que quer e não leva desaforo para casa. É sonhadora e apaixonada por personagens fictícios , ainda assim tem os pés no chão. Como não se identificar? Ed é enigmático e cheio de camadas. Ele largou a escola, está desempregado e prestes a roubar o departamento de artes da escola onde estudava. Com certeza Ed não é o Sombra dos sonhos de Lucy, e isso o impede de dizer a verdade para ela. Sim, Sombra na verdade é Ed (e isso não é spoiler), mas como gostar de um cara sem futuro, que vive correndo perigo e que é o oposto do esperado?
Graffiti Moon é narrado em primeira pessoa por três personagens diferentes: Lucy, Ed e Poeta. Os dois primeiros são tão sensíveis que a intensidade de seus sentimentos pode ser percebida logo nas primeiras palavras. É ótimo acompanhar os pensamentos e fantasmas dos dois. Os capítulos do Poeta são escritos em poemas mesmo, e eu não gostei deles. Não sei se foi porque, pelo fato de terem sido traduzidos (lógico!), acabaram perdendo a essência, ou porque eu nunca fui muito chegada a esse tipo de arte. Outro detalhe que não gostei na narrativa é o excesso de flashbacks. Exemplo pensado em dois segundos: Lucy está tomando sorvete e então ela começa a se lembrar do dia em que tomou sorvete com o pai e caiu um pouco da guloseima no tapete da sala. A enorme quantidade desse tipo de cena me incomodou demais.
O livro acontece em menos de 24 horas, no entanto, esse pouco tempo é recheado de adrenalina, humor, tristeza, sensibilidade e romance. Sem perceberem, Lucy e Ed vão abrindo espaço e se desarmando, a conversa entre dois torna-se uma libertação para ambos, e quando se dão conta eles já se aproximaram bem mais do que podiam imaginar.
A leitura é bem rapidinha e amei acompanhar as conversas e sentimentos dos personagens, os dramas internos e as passagens delicadas. A história é muito fofa e eu fui completamente envolvida pela relação da Lucy e do Ed, torci demais para que tudo desse certo no final, pois eles mereciam isso. Recomendo!

6 comentários:

  1. Gostei da resenha e já curiosa para ler!!!
    Bjs
    http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Hey
    Que capa linda.
    Eu também não curto esse tipo de flashback nos livros, acho que tem que ser separado.
    Já li um, que a protagonista também tinha cenas assim, de estar fazendo algo aí lembrava do passado e eram vários parágrafos só sobre isso, e era muito cansativo.

    Espero ter oportunidade de ler esse fiquei curiosa pelo enredo.

    bjs
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  3. Primeira resenha que leio deste livro! Aparentemente não tem nada extraordinário na premissa que me faça querer passa-lo na frente da minha lista, mas o modo como vc recomendou a leitura me fez ter vontade de lê-lo um dia, só não sei quando!

    xoxo
    http://amigadaleitora.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. O livro parece ser interessante, talez as coisas que você disse que não gostou muito tenham sido pouco trabalhadas. Quem sabe! Odeio quando traduzem algumas coisas e fica horrível.

    Enfim apesar de ser interessante não me chamou muito a atenção... quem sabe um dia.. :D

    Beijokas Jeh

    ResponderExcluir
  5. Adorei o Blog e a resenha.
    Abs
    Graci Rocha
    http://gracirocha.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Preciso concordar com você: traduzir poema é uma coisa muito estranha, já que perde totalmente o sentido. Ainda não li essa obra, mas saber sobre esse detalhe já me deixa mais "atento".
    Estou muito curioso em relação a esse livro desde o início, principalmente depois que a Carina comentou sobre as pessoas que gostaram mais desse do que de "Passarinha", então você já pode imaginar minha expectativa. Será uma das minhas próximas leituras e espero gostar tanto quanto você. Sua opinião conta muito! rsrs.

    Beijos,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir

« »
 
Layout por Adália Sá e modificações por Brunna Carolinne. © Proibido cópia total ou parcial. Plágio é crime!